.posts recentes

. NATAL DE MENINO LUZ

. NATAL MISERICÓRDIA

. O HOMEM e a NATUREZA

. HOMEM PEREGRINO

. (D)O ventre da Mãe ao Amo...

. À PROCURA DE… ECCE HOMO (...

. ...

. EM NOME DE…

. ECO...da/na Vida

. Do Natal, sal e luz

.arquivos

. Dezembro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Agosto 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Dezembro 2010

. Maio 2009

. Abril 2008

. Outubro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Abril 2006

Domingo, 30 de Abril de 2006

LEI de BASES da EDUCAÇÃO

LEI de BASES da EDUCAÇÃO – A pluralidade de propostas Debate / polémica / preocupação – dos valores ao ideário político e outras coisas “As causas da Reforma - (do século XVI)- , variadas e específicas a grupos sociais, a regiões, revestem um carácter social fundado sobre uma insegurança geral.” Hoje, como no passado, ser reformista parece ambição que eleva o político aos escaparates para consta nos anais da História. Em Portugal, lavrar na senda reformista é intenção contagiosa, assim parece, de tempos a tempos, no pressuposto de que o que os antecessores fizeram era mau. Será estigma ou complexo sebastiânico nunca resolvido ? São estes pensamentos a propósito da ‘reforma‘ – mais uma – da Educação em Portugal, agora sob vários quadrantes e frentes, de que a Lei de Bases da Educação é o cerne da discussão. Centes de que da discussão nasce a luz, e seriamente preocupados não só pelo processo ‘reformista’ mas sobretudo pelo imperativo de que o debate deve ser provocado e proporcionado em cenário público e aberto, o Centro de Formação do Pinhal e o Sindicato dos Professores da Zona Centro levaram a efeito, no pp 10Nov., na Casa da Cultura da Sertã, um debate sobre a LEI de BASES da EDUCAÇÃO, evento que contou com o apoio da Câmara Municipal e da Comissão Provisória do Agrupamento de Escolas da Sertã. Para defesa e explicitação da respectiva proposta do Governo, compareceu o dr. Pedro Lopes, deputado do PSD – Partido Social Democrata, pelo círculo de Viseu; o Partido Socialista foi representado pela drª Cristina Granada, deputada eleita pelo círculo de Castelo Branco. O debate registou cerca de meia centena de participantes e foi moderado pelo prof. Carlos Costa, representante do SPZCentro. Após uma manhã de exposição de ideias e confronto de propostas, em sistematização e clarificação dos princípios, da axiologia e intenções que sustentam cada uma das propostas em debate, foram sumariamente presentes as conclusões gerais do mesmo, de que se releva o seguinte: Salvo a necessidade de alterações à actual Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86), por imperativos de adequação a ditames unionistas – da UE – não parece de todo pertinente produzir uma nova Lei Quadro da Educação; depreendeu-se e ficou mais ou menos dito que a LBSE é socializante; na proposta de Lei do Governo escancara-se a porta ao sistema paralelo protagonizado pelo ensino particular e cooperativo, com garantias de financiamento pelo Estado; excepto nos momentos e intervalos temporais e etários dos alunos, não há divergências na estruturação do percurso escolar, sendo comum o alargamento da escolaridade obrigatória para 12 anos; diferente é o entendimento versado pelo PSD e pelo PS sobre a formação tecnológica e via profissionalizante neste processo: defende o PS a manutenção do ensino básico em 9 anos enquanto o PSD confina o ensino básico a 6 anos e subsequente ensino secundário, com possibilidade de encaminhamento dos adolescentes (13 anos) para o mundo do trabalho logo após o ensino básico/sexto ano de frequência da escolaridade obrigatória. O sector Pré-Escolar configura-se nos 5 anos de idade, em carácter facultativo, pugnando o Partido Socialista pela rede pública assegurada pelo Estado. No domínio dos pressupostos e princípios estruturantes relativos a problemáticas como a formação inicial e contínua dos profissionais da educação e, em particular, dos docentes, e da sempre quente e questionável ‘avaliação’, as preocupações, questionamento, reservas da justeza e equidade dos procedimentos nos processos foram uma constante, as vozes foram praticamente unânimes em reconhecer a necessidade da avaliação e do reconhecimento do mérito profissional. Objecto de discussão foi também a perspectiva de uns e outros acerca da organização sistémica e administração das escolas, sendo o busílis a proposta de modelo assente no gestor profissional, professor ou talvez não, com esta última possibilidade de todo enjeitada e rejeitada, como se ouviu de vozes presentes. Uma certeza se regista, a mudança está em curso... nada será como dantes. Se no entender do Governo / coligação PSD-CDS/PP ”A missão fundamental da educação é hoje, mais do que nunca, fornecer a cada pessoa os meios para o desenvolvimento de todo o seu potencial...” cujas finalidades são “aprender a ser e a viver juntos, aprender a estar, aprender a conhecer, aprender a pensar e aprofundar autonomamente os saberes e as competências”, aliás à luz dos 4 pilares da educação inscritos no relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI, com que foi aberto o debate na comunicação proferida pelo Director do Centro de Formação do Pinhal, já a drª Cristina Granada, deputada do PS, corroborando estas finalidades destacou a importância fundamental do pilar que é o “aprender a aprender”. A Educação do presente exige mais, as necessidades são outras, impõe-se estar a passo com a evolução tecnológica...mas não pode vergar-se à Lei do ‘mercado’. Porque a Educação é um ‘tesouro a descobrir’, registamos as palavras com que o Presidente da Câmara da Sertã concluiu a sua intervenção: os que acham que a educação é cara, experimentem o preço da ignorância. Sertã, 27 de Novembro de 2003 Alfredo Bernardo Serra
publicado por AlfBernardo Couto às 23:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds