.posts recentes

. NATAL DE MENINO LUZ

. NATAL MISERICÓRDIA

. O HOMEM e a NATUREZA

. HOMEM PEREGRINO

. (D)O ventre da Mãe ao Amo...

. À PROCURA DE… ECCE HOMO (...

. ...

. EM NOME DE…

. ECO...da/na Vida

. Do Natal, sal e luz

.arquivos

. Dezembro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Agosto 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Dezembro 2010

. Maio 2009

. Abril 2008

. Outubro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Abril 2006

Sábado, 2 de Junho de 2007

EscriVida

UM SORRISO NA VIDA

 

Sorria... Sorria

E seja feliz

Um segundo na Vida!

 

Escuta a chuva que cai

O vento que  sopra;

Olha uma vida que se vai

Aquela carne morta

Lembra a morte viva.

 

Um homem um deus um amigo

Uma Mulher uma deusa uma Amiga

 

Na vida um sorriso

Abre o botão da flor

Da Vida o Amor!

 

A noite se faz dia

A morte se faz Vida!

 _________________________________________________________

Publicado em

·         Literário Paúl Democrático, 1977 (?) 1ª versão

·          ‘NAVIMOR EXISTENCIAL’  – edição de autor, 1981

·         jornal ‘O Concelho de Proença-a-Nova’,, 25Agosto1996, p.10

 

   

AR DE LIBERDADE

 

A Liberdade

Do raio solar

É tão importante            no dia-a-dia

Para Humanidade

Quanto a pureza do ar

Que se respira

Assim deve ser

A vida existencial                vivida

Sempre em dignidade

Total Liberdade.

 

Que importa

A Lua sem o Sol

Se tu e eu           Nós

Não pudermos

Andar na rua livres

Em dignidade e plena Liberdade?

                                                                                          Abril 1998

 

 * Publicação em O Cruzeiro  da Juventude, Maio 1998, Proença-a-Nova, p.6.

 

 

 Primavera da Vida

                                                              “Grande é a poesia, a bondade e as danças,

                                                              mas o melhor do mundo são as crianças.”

                                                                                                              F. Pessoa

                                               A criança é na Vida

                                               Ingénua e feliz poesia

                                               Flor bela de Primavera

                                               Canto alegre de filomela

                                               Ave canção andorinha

                                               Desde  manhã à tardinha

                                               Criança na paz dos céus

                                               Sempre voando sem parar

                                               Aos rodopios a crescer

                                               Horizontes d’Arco-Íris

                                               Traçado em voo picado

                                               Por entre montes e vales

                                               Quero ver brincar e correr

                                               Um mundo só de meninos

                                               Por uma Terra sol-Nascente.

                                                                          

                                               A Criança feita Vida

                                               Sempre corre inocente

                                               Ao encontro de sua sorte

                                               Talvez fadado destino

                                               Entre a Vida e a Morte

                                               Por sinuosos caminhos

                                               No largo vão d’Arco-Íris.

                                               Mas o Ser hoje pequenino

                                               Vai crescendo até ser gente

                                               Pai ou Mãe d’outros meninos

                                               Com menor maior bonança

                                               Criança rica ou pobre

                                               O que importa em sua hora

                                               É viver toda a infância

                                               Em primavera poesia.

Junho 1982- Junho 2002

 

 

LER INFÂNCIA

 

É preciso

Conhecer, ouvir

E ver,

Ler infância

Nas linhas

Dos rostos dos homens

Que não

São homens

Livres

Nos olhos

Das mulheres

Que são

Tudo menos mulheres seres

Humanos sonhos

No crescer

Dos seus filhos

Meninos que como elas e eles

Nunca foram meninos.

  • Publicação em ‘Correio Sindical’, Junho 1997, nº24, Jornal do Sindicato do   Professores da Zona Centro, Coimbra, p.17.

 

EM NÓS UM MUITO DE ESPERANÇA

                                                           Mote:   Há em ti um pouco de criança

               Há em ti um pouco masculino

               Há em ti um pouco feminino

               Há em nós um muito de esperança.   

 

                                     Há em mim no olhar a infância

Um doce sorriso de sol nascente

Há em mim um pouco masculino

Corpóreo vigor em sonho crescente

  

                                                           Há em mim um mito de esperança

                                                           No rosto com muito de feminino

                                                           A vida tem mais beleza de criança

                                                           E há em nós um muito de esperança.

 

                                     Há em mim profunda ânsia

Na expressão professor de meninos

Há em mim um pouco feminino

No afago presente à criança 

     

                                                            S' Irradia um quase amor de mãe

                                                           Há em mim um pouco masculino

                                                           Na terna carícia um paterno carinho

                                                           E há em nós um muito de esperança.

  

Há em mim um pouco de criança

No adulto-mito descido à infância

Há um amigo um pouco mais crescido

Em mim há um muito de masculino-feminino.

 

             Na prática do amor em confiança

            Cresce em nós um mar de esperança

            Há um muito de misto em mim e em ti criança

            E há em nós um muito de esperança!

                                                                     Aelf Raed Al Frido

publicado por AlfBernardo Couto às 23:15
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds