.posts recentes

. NATAL DE MENINO LUZ

. NATAL MISERICÓRDIA

. O HOMEM e a NATUREZA

. HOMEM PEREGRINO

. (D)O ventre da Mãe ao Amo...

. À PROCURA DE… ECCE HOMO (...

. ...

. EM NOME DE…

. ECO...da/na Vida

. Do Natal, sal e luz

.arquivos

. Dezembro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Agosto 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Dezembro 2010

. Maio 2009

. Abril 2008

. Outubro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Abril 2006

Sábado, 29 de Abril de 2006

Natal é Poesia

NATAL DE TER E HAVER

 No frio escuro da gruta

Lá no oriental fim do mundo

Nasceu ao brilho da lua

O Deus - Menino - Jesus

 

Nas profecias anunciado Redentor

Para remissão do pecado original.

Veio ao Mundo o Messias-Salvador

Feito Deus Homem sem igual,

 

Trouxe à Terra a bela mensagem

 De Paz e Amor,

hossanas à Vida!

Porém, volvidos já dois milénios,

De Cristo quase só resta a homenagem

Em memória de seu natal,

um dia De ter e haver,

que não de sentir fraterno.

 1999-12-08 Aelf Raed

 

 NATAL PROLIXO

Foi o Natal de um Menino - Deus

Acontecer em Belém numa gruta

Por berço palhas de manjedoura ter

No querer sentir a humana natura.

 

De promessa divina cumpridor,

Veio ao mundo Jesus Menino

Adão e Eva do pecado redimir

E devolver o Éden ao Povo sofredor.

 

Ido o Natal dos Pastores e Magos d'Oriente,

Vil continuou Herodes e a serpente livre

O Homem a cavar a própria sepultura

Por actos e pensamentos na indiferença

 

O progresso do Natal é vazio e prolixo:

De plástico são os valores e crenças, a rua.

 

P.ª Nova, 30 -11-1998 Aelf Raed Al Frido · Publicação em ‘Correio sindical’, nº29, Nov./Dez.1998, Coimbra, Jornal do Sindicato dos Professores da Zona Centro, p.54. · Publicação em ‘Voz da Minha Terra’ nº314 – 25Dez.1998, Mação, p.9

 

FUTURO TOTAL

 

Na celebração desta ímpar efeméride,

Os 1996 natais de Cristo Jesus,

A escassos anos do fim de século

E também de milénio,

Alimenta-nos a Esperança única

De um novo amanhã

Com linha de horizonte

Sempre mais além

Perspectivada num futuro

De Humanidade total!

 

 Aelf Raed Al Frido Proença-a-Nova, 12 de Dezembro de 1996 ___________________________ * Publicação em ‘O Cruzeiro da Juventude’, Dez.1996, Proença-a-Nova, p.8

 

SERVIÇO E ALEGRIA

Adormeci e sonhei

Que a vida era só alegria.

Despertei e vi

Que a vida Se resumia em servir.

Servi...e vi Que servir é alegria.

 

Robindranath Tagore

 

Quando todo o Cristão

O Homem só pensar

Como Tagore, então

Já e sempre a amar

Se viverá a Vida

De rostos um Sorriso

Na dor e n'alegria

Cada gesto um serviço.

Quando assim for:

Só Paz e Amor,

Serviço e Alegria...

Então, sim, será Natal

Em cada minuto existencial

A vida real será Vida! (1979/ 08-12-1999) Aelf Raed * Publicação em ‘O Cruzeiro da Juventude’, Dez.1999, Proença-a_Nova, p. 11 LEMBRANÇAS DE

 

NATAL

Vinte e quatro de Dezembro

Família em noite de consoada.

E com que saudades me lembro,

Deus meu, da infante madrugada.

 

Bem acesa, grande e quente a lareira

Para o Menino não tremer de frio.

Tamanho calor enchia a casa inteira,

Tanto era o amor no presépio –vivo.

 

No Natal vinham os presentes

Do Menino Jesus sempre pobre

Que aos Pais, padrinhos e avós,

Dava saúde e paz às nossas gentes.

 

Ao calor do madeiro da aldeia

Com a benção da missa do galo

Celebrava-se com alegria verdadeira

De Jesus –Menino o Santo Natal. * Versão diferente foi publicada em ‘Expresso do Pinhal”, 18Dez.2002, Sertã, p. 33

 

 

DO NATAL, RESTA ESPERANÇA!

Natal! É verdade,

É outra vez Natal!

Óh! Que felicidade

Esta sempre sem igual!

Mas, óh vil tristeza!

Porquê esta dita alegria

Só no ano uma vez?

Apenas no festivo dia

Do histórico Natal?

Afinal, imperam no resto do ano

O ódio, a vingança e a guerra

A miséria e a fome mundial...

Resta do Natal viver Esperança

No Amor pela Paz, a Vida na Terra! (20-12-78/8-12-99) -- Aelf Raed

 

QUADRAS de NATAL

Que importa

Que celebres o Natal

Se para além da porta

És como dantes: igual!

Natal um dia só

Entre tantos mete dó!

De que vale o Natal celebrar

Se a guerra amanhã continuar?

Em Belém da Judeia

Para bem do Mundo-aldeia

Veio nascer Jesus-Menino

De Maria o Verbo Divino.

 

NATAL PEREGRINO

- Natal! Natais?

Olá, como estais?

 - Cá estou outra vez

Com a Graça de Deus.

- Descansai um pouco, amigo,

Pois pareceis - me cansado,

De assim feito peregrino.

- Engano, teu, companheiro.

Só o coração sinto agastado

Pela ausência do Amor verdadeiro.

- Mas, então, não é o Natal de Paz e Amor?

- Lá isso, é verdade, meu irmão,

Mas os homens continuam a matar-se

Com ganância e ódio no coração.

- Fica, pois, comigo, larga o teu bordão

E deixa de peregrinar por esse mundo fora!

- Bem-hajas, amigo, mas não posso desistir...

Serei Natal-peregrino até o Amor ser Vivo.

E, olha, tua amizade não é verdade

Porque te cansas de viver a amar.

 

A IDOLATRIA DO NATAL

De Jesus o Nascimento,

Aos vinte e cinco de Dezembro.

Bendita festa de Natal

Paz e Amor, Alegria e tantas luzes

A nível mundial

Brilham as estrelas no céu.

É já cortado o verde pinheiro

Para árvore de natal

Esperança iluminada

Jogos de luz eléctrica

E flocos d´algodão-neve

Fofos tufos de musgo verde

Toalha-chão da humilde gruta.

Obra d´arte são os presépios

De mil figuras, Jesus, José e Maria.

Mas muitos mais são os prosélitos

Que tão só cometem a idolatria.

É a Consoada em Família

No esquecer vão da dor

Por entre egoísmos e tlim-dinheiros

Soam palavras e risos de gozo

Ante a sinceridade na vivência natalícia.

Anda, daí, vamos à missa do galo!

Vem ver, é dia de Natal!

Mais me faltava ser galo na missa

O natal é um dia só.

Já estão ao borralho os sapatos

À espera dos presentes muito caros.

Já a fogueira é toda cinza de muito trabalho

E só amanhã dia vinte e cinco é Natal.

Assim se comemora mais um Natal.

Em azáfama comercial a retalho

Na dor ocorre mais um parto

Uma vida morre em agonia sem igual

Por um qualquer prazer carnal

Se continua a viver na morte viva

Ao lado da Vida num falso abraço

É traído o Dia de Natal

No Chile e em Portugal

Na Coreia e em França

Na Palestina e na Irlanda

Em Angola, Timor e Moçambique

Na Suécia, Itália e África do Sul,

Repete-se a História de Pilatos

Para Herodes na condenação de Jesus.

Há tantos mil Natais

Nasceu Jesus o Salvador!

E o Mundo não é feliz!

Enquanto se diz que é dia de Natal!

Dezembro 1981 (Alcochete) 1 Nov.2002 (Proença-a-Nova) * Publicação em ‘Expresso do Pinhal”, 18 Dez.2002, Sertã, p. 33

 

NATAL RENOVADO

Dois mil natais celebrados

Tantos anos de Jesus-Natal

Sem que dos homens os actos

Sejam de Paz e Amor fraternal.

Fausto e luminoso é o natal

Moderno da civilização global.

Porém, pobre e frio continua a ser

O viver das gentes sem pão p’ra comer.

Reedita-se ano após ano o Natal

Do Menino Jesus Cristo Redentor.

Porém, esta Humanidade mortal

Continua a rejeitar o Salvador.

Falta Nascer Jesus

na Terra outra vez

No coração do Homem todos os dias

Pela semente da Palavra de Deus.

Então o viver será presépio vivo !

Proença-a-Nova, Nov./Dez.2002

 

Mais uma vez... Natal!

Era uma vez...

mais uma vez é Natal!

Tempo de tréguas nas trincheiras da guerra

Tempo de luz e harmonia fraternal!

Parece pairar o Amor sobre a Terra.

Porque dizem os sábios entendidos

Que nesta altura nasceu o Rei de Judá Filho de Maria ,

o Verbo Divino Feito Cristo Redentor da Humanidade.

De Jesus Menino o humano Natal

Se convencionou dia vinte e cinco

Para justos, néscios, ricos e pobres

Hossanas são as do coro celestial.

Mas eis finda a quadra festiva de Natal

E de novo a vida perde sentido:

O inferno é real, o Mundo sofre!

Já dobram os sinos pela vida mortal.

 24 Dez.2002

 

NATAL DE HOMEM PEQUENINO

Natal de Jesus Menino

Para cumprir as Escrituras,

Nasceu Jesus da Virgem Maria

Entre animais numa gruta.

Natal de Jesus Redentor

Para expiar o pecado original,

Nasceu Cristo Salvador

Para na Cruz morrer (i)mortal.

Natal de Jesus Verbo Divino

Deus-Filho feito menino

Para dos mortos ressuscitar.

Natal de Jesus Cristo Messias

Corpo e Sangue Pão da Vida.

Mas continua o Home pequenino.

Sertã, 28 Nov. 2006 **************************************

 

NATAL, PRECISA-SE!

Vive o Mundo de amor e orgias

Noites e dias em dor e prazer.

Tudo se vende e compra à porfia

No engano da volátil riqueza.

Este Mundo de fé em bustos e ídolos

Vive na crença material com o esotérico

Por panaceia para tudo, sorte e mil perigos.

Afoga-se o Mundo em overdose sem remédio.

Volta, Profeta do novo baptismo

Ao Jordão, e renova as águas mortas

O corpo e alma com Teu sopro divino!

Volta, Profeta do Mandamento Novo!

Devolve ao Povo a nudez das Hordas do Éden,

a Lei de Moisés, Natal de novo! Dez. 2006

 

Natal de Homem Pequenino
 
Natal de Jesus Messias
Para cumprir as Escrituras,
Nasceu Jesus da Virgem Maria
Entre animais numa gruta.
 
Natal de Jesus Redentor
Para expiar o pecado original,
Nasceu Cristo o Bom Pastor
Para na Cruz morrer (i)mortal.
 
Natal de Jesus Verbo Divino
Deus-filho feito menino
Para dos mortos ressuscitar.
 
Natal de Jesus Cristo Messias
Corpo e Sangue Pão da Vida.
Mas continua o Homem pequenino.
 
Sertã, 28 Nov. 2006
 
Bernardo Couto
publicado por AlfBernardo Couto às 20:05
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds