.posts recentes

. SOMOS MODERNOS

. GÉNESIS - A natureza do s...

. No rescaldo do Verão

. Perigosa abstenção

. MISSÃO FAMÍLIA: F.E. – Fo...

. A Vida é fogo que arde… I...

. A Infância da Vida

. NATAL EM MIM

. É o NATAL do Menino Jesus

. NATAL de Belém ao Céu

.arquivos

. Maio 2018

. Dezembro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Agosto 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Dezembro 2010

. Maio 2009

. Abril 2008

. Outubro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Abril 2006

Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

MISSÃO FAMÍLIA: F.E. – Formar e Educar na FÉ

MISSÃO FAMÍLIA: F.E. – Formar e Educar na FÉ

Alfredo B. Serra

Aprestamo-nos a iniciar mais um ano litúrgico na Igreja de Cristo. Entretanto, começámos o novo ano catequético na invocação do Espírito Santo, com ânimo novo e vontades sinérgicas para a nova evangelização nos tempos que vivemos.

É sobejamente afirmado que vivemos tempos de crise(s): crise de valores, crise económica e financeira, crise social… E de crises se fala também na Igreja Católica desde há algumas décadas: crise de vocações religiosas consagradas, crise de vocações ao sacerdócio, crises no plano da família – casamento sem matrimónio, divórcio,… ; crise na dimensão catequética. Crise da humanidade e sua relação com Deus.

Na experiência da pastoral juvenil nos finais dos anos 70 e princípios de 80 do século XX, a minha geração foi confrontada com este desafio: «É preciso renascer! Palavra de ordem para a juventude e para a humanidade de hoje: “renascer pela Ressurreição de Cristo” que significou uma nova geração, cheia de esperança, como diz S. Pedro» (Barros de Oliveira, 1981).

É na resposta a este apelo cristão e na atitude geracional face à necessidade do renovamento que é fundamental valorizar a família e fazer a pastoral da família nas premissas tão propaladas pela igreja, nomeadamente reforçadas no Concílio Vaticano II e posteriores sínodos dos Bispos, que sintetizamos na exortação do Papa João Paulo II: «O futuro da humanidade passa pela família”» (in Familiaris Consortio, 1981).  Nesta mesma linha, o olhar reflexivo do Sínodo dos Bispos de 2014 conclui: “A família tem para a Igreja uma importância muito especial e, quando todos os crentes são convidados a sair de si mesmos, é necessário que a família se redescubra como sujeito imprescindível par a evangelização. O pensamento vai para o testemunho missionário de tantas famílias” (Spadaro, 2014). Portanto, é indispensável que a família cristã assuma papel relevante na resposta à crise de vocações e desde logo se afirme em plenitude como Igreja doméstica. Neste sentido, S. João Paulo II (1981) diz-nos que: “a família cristã, de facto, é a primeira comunidade chamada a anunciar o Evangelho à pessoa humana em crescimento e a levá-la, através de uma catequese e educação progressiva, à plenitude da maturidade humana e cristã”. Este papel catequético da família deve ser realizado a dois tempos: na iniciação da fé pela educação cristã dentro de casa, pela oração e nos ensinamentos da doutrina da Igreja; na vivência da celebração litúrgica em comunidade de Igreja: participação da família na Santa Missa e demais assembleias de fiéis em oração.

Decorre daqui o valor do testemunho dos pais na vivência da fé para a educação cristã dos filhos. É tempo de os pais ganharem consciência de que não basta matricular os filhos na catequese. Também deles, pais, depende a eficácia da catequese, pelo exemplo na fé.

Proença-a-Nova,Outubro2017

publicado por AlfBernardo Couto às 11:36
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds